Trabalho voluntário: Ajuda por caridade × Experiência para o mundo profissional

Trabalho Voluntário
Standard
A Lei do Voluntariado define trabalho voluntário como uma “atividade não remunerada, prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza, ou a instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social”.

O mundo, em constante evolução, transformou a forma de vermos e analisarmos o trabalho voluntário. Antigamente existia sempre um aspecto de caridade, de boa ação. Pensava-se no voluntário como um ser bondoso, que visava ajudar o outro sem querer nada em troca. Imaginávamos uma pessoa com um tempo disponível do seu dia, que preocupava-se em ajudar o próximo, na maioria das vezes em situação fragilizada, seja por motivo de saúde, econômico ou social.
Hoje entretanto, percebemos que o trabalho voluntário é uma via de mão dupla. O voluntário oferece à sociedade sua contribuição para a construção de um mundo melhor, com dedicação e responsabilidade. Recebe de volta a oportunidade de fazer amigos, de viver novas experiências e conhecer outras realidades. É um trabalho que possibilita o desenvolvimento de habilidades e a prática da cidadania.
Uma a cada quatro pessoas no Brasil realizam trabalho voluntário. O Brasil está entre os 10 países com maior número de voluntários; 11% dos brasileiros são voluntários.
O exemplo recente dos voluntários da Copa do Mundo, nos dá uma visão moderna do trabalho voluntário. Foram mais de 152.000 inscritos, dos quais 15.000 foram aprovados para atuar nas mais diversas frentes. As razões que motivaram essas pessoas a se inscreverem foram a oportunidade de conviver com indivíduos de diversos países, línguas e culturas, a possibilidade de enriquecer e diferenciar seu CV e a chance de conhecer os bastidores de um mundial.
Estes números refletem muito a capacidade do brasileiro de doar-se em prol de uma causa. São pessoas que agem por sua própria iniciativa ou junto a organizações não governamentais, mobilizando-se para fazer a diferença. E são estes voluntários as peças-chave para o desenvolvimento de muitos projetos.
É importante ressaltar que em todo e qualquer trabalho voluntário, existe sempre um sentimento de identificação. O voluntário cede um tempo de sua vida dedicando-se a uma causa na qual acredita e que tem para ele uma importância pessoal. Como consequência seu trabalho traz uma gratificação que, como o próprio nome diz, não tem preço!

L. Martino e P. Gratz

Entrevistamos um voluntário da Copa do Mundo FIFA! O Eduardo Gil atua na recepção e atendimento do torcedor no estádio do Maracanã e compartilhou conosco um pouco dessa experiência:

PROATIVA RH: Qual atividade você exerce como voluntário da Copa?
EDUARDO: trabalho como líder de uma equipe de STS (atendimento ao espectador) e nossas funções vão desde recepcionar o público nos portões de acesso até encaminhá-los aos seus respectivos assentos.

PROATIVA RH: Você pôde escolher qual atividade faria?
EDUARDO: Não, na ficha de inscrição podemos indicar quais o setores de nossa preferência mas a escolha é feita pelos selecionadores.

PROATIVA RH: Como foi o processo seletivo?
EDUARDO: Basicamente uma dinâmica de grupo e dois treinamentos (um on-line e outro presencial).

PROATIVA RH: Como ficou sabendo das vagas?
EDUARDO: Através do site da FIFA.

PROATIVA RH: O que lhe motivou a participar do voluntariado?
EDUARDO: A oportunidade de participar diretamente de um grande evento mundial.

PROATIVA RH: O trabalho que você está exercendo corresponde às suas expectativas?
EDUARDO: Superou totalmente as minhas expectativas.

PROATIVA RH: Você acha que poderia melhorar em algo?
EDUARDO: Acredito que sim, principalmente a comunicação com os estrangeiros.

PROATIVA RH: Durante este momento em que você está vivendo, você testemunhou ou passou por algum fato interessante?
EDUARDO: O caso mais interessante que presenciei até agora aconteceu no jogo Argentina x Bósnia-Herzegovina, quando logo na abertura dos portões me deparei com um casal bósnio no meio dos torcedores argentinos. Preocupado com sua segurança consegui, mesmo sem falar inglês, conduzi-los para perto de alguns policiais militares. A situação inusitada perdurou até que avistei um casal de brasileiros na fila, expliquei a situação e eles, se fingindo passar por amigos dos bósnios os conduziram para dentro do estádio. Um clima bem diferente da confraternização de uma Copa do Mundo, mas parecida com os jogos que assistimos no campeonatos regionais e brasileiro.

Compartilhando a Missão da Proativa

Logonome
Standard

“Atuar com responsabilidade no Recrutamento, Seleção de profissionais e na Administração de Contratos, contribuindo desta forma, para o resultado das empresas que reconhecem o valor das pessoas como seu diferencial de sucesso”.

Visite nosso site: www.proativarh.com.br

Todo profissional, certamente, busca o reconhecimento financeiro justo e a oportunidade do desenvolver uma carreira consistente. O que move dia a dia do profissional comprometido com o social são propósitos empresariais verdadeiros e compatíveis com sua missão pessoal.
O que move a equipe proativa é missão de conciliar os objetivos da empresa aos anseios dos profissionais dentro de um ambiente justo, plural e ético.

P. Gratz

Nosso olhar sobre os impactos da Copa: sonho ou dura realidade?

Bandeira do Brasil
Standard

Inicia-se amanhã mais uma Copa do Mundo de Futebol. Nunca um evento foi tão esperado, temido, comentado e repudiado, pelo simples fato de que, dessa vez, ocorrerá no Brasil. O evento tem feito com que milhares e milhares de brasileiros reflitam sobre os problemas socioeconômicos culturais. Um país onde falta educação, saúde, segurança, saneamento básico, moradia e até água, pode se dar ao luxo ou ao desplante de sediar um evento de tamanho porte?
Essa pergunta certamente “martela” na cabeça destes milhares de brasileiros indignados, revoltados com tamanho descaso por parte das autoridades que dirigem esse país. Tanto dinheiro gasto em mega estádios padrão FIFA, sendo que muitos deles serão abandonados ao seu próprio destino depois de passado esse evento.
Dia 12 de Junho de 2014 será um marco na história do futebol brasileiro. E mais do que isso, é a grande esperança de resgatar, no grito da vitória, o trágico silencio de 1950. Desde que o Brasil foi escolhido para sediar a Copa, em 2007, ouvimos e, também comentamos, que o evento desta grandeza seria uma enorme oportunidade para gerar muitos empregos e gerar investimentos em infraestrutura do país.
Pesquisando e analisando o comportamento do mercado com realismo, entendemos que nem o impacto econômico imediato da Copa nem seu legado devem ser expressivos. A impressão que temos é que o país “saiu de férias”. Parece que todas as decisões, planejamento, investimento, contratações foram adiados para daqui 1 mês. Afinal, nosso foco agora é a Copa. Uma pesquisa recente do Datafolha destaca que 55% dos brasileiros acreditam que o Mundial trará mais prejuízos que benefícios para o país.
Entre os setores mais beneficiados pelo evento está a construção civil e o turismo. No varejo, as vendas de televisores certamente aqueceram. Os empregos criados em sua quase totalidade são temporários e segmentados no ramo hoteleiro e comercio em geral. Pesquisadores e analistas de mercado têm advertido que o torneio pode decepcionar aqueles que esperam um efeito econômico significativo, seja a curto ou longo prazo.
Amanhã estaremos com os olhos voltados para a zona leste, região antes tão esquecida pelos governantes e agora centro das atenções do mundo todo. O Itaquerão será apresentado ao mundo e o Brasil movimentará as manchetes de todos os jornais e revistas pelas suas glórias e pelos seus fracassos.
O que é ser campeão do mundo? É sentir-se pertencente à um país rico, como o Brasil; mas que ainda precisa de algumas táticas para entrar em campo e ser, realmente, o verdadeiro campeão. A Copa do mundo nos traz muitas reflexões, pois não podemos deixar de olhar para o que está errado em nossa casa. Nós brasileiros estamos nesse momento divididos entre a indignação e aquela vontade de soltar a voz, e vibrar por um Brasil abençoado por Deus, repleto de uma natureza exuberante e de um povo guerreiro, afetivo e hospitaleiro.
Então, vamos nos permitir, vamos nos envolver por esse sentimento de pertencer a esse país tão controverso, mas tão nosso. Amanhã, quando a bola rolar, o sangue quente e a paixão pelo futebol de todos nós brasileiros, podem ter o poder de nos fazer esquecer, de nos anestesiar, de nos levar a mais uma vez torcer por uma nação, a nossa nação!
As nossas reivindicações por um Brasil melhor jamais serão esquecidas. Essa luta é intensa, diária e está acima de qualquer evento, até mesmo de uma Copa do Mundo.
Que venha a Croácia!

Texto por:
Liliane Gaspari, Luciana Martino e Paula Gratz;
Psicólogas e colaboradoras da área de Recrutamento e Seleção da Proativa RH