Tatuagem no Trabalho: Preconceito Superado?

Staff in Woodlands office, Bedford, February 2010.
Standard

Marcar o corpo com sinais, figuras ou palavras é uma prática que tem se tornado cada vez mais comum entre as pessoas. O quê, no passado era utilizado por comunidades marginalizadas desde tribos pagãs difamadas pelas religiões dominantes até os criminosos, que ainda hoje costumam marcar seus corpos segundo seus crimes mais notáveis. Atualmente, a tatuagem tem se transformado numa forma do indivíduo expressar momentos marcantes em sua vida, suas paixões e seu estilo. Entretanto o mercado de trabalho ainda tem suas exigências, muitas delas rígidas e conservadoras, e a aparência é um dos principais quesitos. Afinal, a primeira impressão é a que fica.
Se você pretende trabalhar em atividades mais tradicionais como advocacia, auditoria e consultoria, a tatuagem em partes do corpo mais difíceis de ocultar pode se tornar um empecilho, tanto para se conseguir um emprego quanto para mantê-lo ou até para se conseguir uma promoção. Afinal, a cultura da maioria das empresas deste meio tem raízes conservadoras. E em qualquer ramo podem existir gestores e colaboradores influenciados pelo preconceito. O mercado ainda irá levar muito tempo para aprender que a aparência não influencia no talento. E isso só irá acontecer quando o pensamento da sociedade evoluir.
As áreas criativas como Publicidade, Internet ou TV, a tatuagem é bem mais comum e aceita de forma natural. Por isso é importante saber alinhar as suas escolhas profissionais com a sua vida pessoal, muitas vezes repensando o seu relacionamento com a empresa ou uma mudança na sua carreira. Isso irá colaborar de forma direta para o seu bem estar. Um lugar que permita que o profissional possa expressar a sua personalidade (seja ela mais contida ou arrojada), terá mais resultados positivos em relação a produtividade e ao clima organizacional.
Se você pretende fazer uma tatuagem e está pensando nas consequências que ela poderá imprimir na sua carreira, não pense na sua vida profissional e pessoal de forma separada. Os olhares tortos ou os elogios poderão (e irão) acontecer em ambos os lugares. É importante pensar bem na parte do corpo que você irá marcar e no significado daquele desenho para você. E não se ofenda, caso seu chefe peça para você cobrir a tatuagem durante uma reunião com o cliente, por exemplo. Ás vezes é necessário.
Durante entrevistas de trabalho, prefira ocultar. Mostre primeiro suas qualidades, seu talento e suas experiências. Cada detalhe pode ser eliminatório em uma seleção e, dependendo da vaga, um estilo mais audacioso pode pesar num momento de decisão.
Tatuar o corpo é um momento muito especial. Significa congelar em uma figura ou em uma frase algo de importância tão grande, que você escolheu marcá-la em si mesmo. Logo, isso se tornará parte de você, uma informação visual sobre a sua personalidade, sobre a sua vida. Portanto, faça com que este prazer se estenda para a sua vida profissional, fazendo as escolhas certas.

Reinaldo Araújo

Relacionamento Amoroso entre Colegas de Trabalho

Office-romance
Standard

A maior parte de nosso tempo, passamos no trabalho. As atividades sociais inerentes a ele entram nesse cotidiano como happy hours, festas de confraternização, entre outros eventos corporativos.
Basta um olhar mais demorado, um sorriso diferente entre uma gracinha e outra… pronto! Está criado o ambiente oportuno para pintar uma atração e o cupido flechar corações.

Muito já se discutiu nos bastidores de Recursos Humanos sobre as possíveis consequências do relacionamento amoroso no ambiente de trabalho. Imaginem vocês! Em épocas passadas, os colaboradores enamorados já sabiam que se casassem, um permaneceria na empresa e o outro era dispensado.
Essa época já passou e, atualmente agem ilegalmente as empresas que não permitirem que os colegas namorem.
As empresas podem, legalmente, determinar limites e regras para que esses relacionamentos amorosos não interfiram e nem atrapalhem a dinâmica regular do trabalho.
A primeira atitude quando um casal se forma no ambiente de trabalho é separar a relação amorosa da vida profissional. Pode parecer fácil, mas não é. Não somos seres assim tão racionais e, por diversas razões e ocasiões os impulsos afetivos podem sobrepor à razão.

Algumas dicas para quem tem um relacionamento amoroso no trabalho:

  • Carícias, apelidos, cenas de ciúme nas dependências da empresa nem pensar!
  • Troca de e-mails e mensagens pessoais dentro do local e horário, também não;
  • Discutir a relação no local de trabalho é muita exposição.
  • Não controle, nem impeça as amizades do seu companheiro com os demais colegas de trabalho;
  • Cuidado para não correrem o risco de se distanciar do grupo de trabalho por qualquer motivo que seja;
  • Caso o relacionamento termine, é importante manter a discrição e não falar mal um do outro;
  • Conviver simultaneamente numa relação amorosa e profissional requer a habilidade de passar de um papel para o outro com a destreza de um equilibrista.

P. Gratz

Você está preparado para trabalhar em outro estado ou país?

Autumn_bliss2
Standard

Trabalhar em outro estado ou país é antes de mais nada, uma decisão muito pessoal. Sem dúvida, é um passo importante na vida de qualquer profissional e que deve ser muito pensado e avaliado.
Inúmeros são os motivos que levam uma pessoa a querer vivenciar essa experiência. Variam entre aspectos mais pessoais, como busca de qualidade de vida, até motivos profissionais, como novos desafios na carreira.
Para fazer essa opção, você deve estar preparado. Qualquer mudança envolve adaptações que você deve estar disposto a fazer. Cercar-se de algumas seguranças não asseguram o sucesso da sua decisão, mas certamente amenizam os impactos.
Seguem algumas “dicas”:
Primeiramente investigue a empresa onde você vai trabalhar. Qual é a estrutura da empresa e as perspectivas de desenvolvimento. Mesmo que seja apenas uma transferência do seu emprego atual para outro local, diferenças sempre vão existir e devem ser conhecidas.

  • Procure se informar sobre o país, estado e cidade para onde você se mudará. Entenda a cultura, o clima, os costumes e formas de lazer. Havendo identificação da sua parte, ao chegar lá, procure conviver com a população nativa, respeitando sua maneira de ser. Certamente sua adaptação será mais rápida.
  • Aprenda o idioma do país para onde você vai. Mesmo que a comunicação seja em inglês, é sempre simpático saber o idioma local. Caso sua mudança seja para outro estado, perceba as diferenças linguísticas existentes dentro do nosso próprio país. Elas são inúmeras!
  • Entenda que você não está indo como turista ou estudante. Comporta-se como um profissional engajado, responsável pelo sucesso da empresa, pelo busca de resultados. Não use o fato de não ser de lá para desculpar-se por suas falhas.
  • Por fim, a não ser que lhe perguntem, evite fazer comparações com seu estado ou país. Ninguém gosta de ouvir críticas, ainda mais vindas de um estrangeiro.

Decidiu arriscar? Desejamos que seja uma experiência muito bem sucedida. De qualquer forma, saiba que nada na vida é definitivo. Sua cidade sempre estará de “braços abertos” para recebê-lo de volta. Boa sorte!

Luciana Martino