Voluntariado Estratégico: Necessidade social e desenvolvimento profissional

broadbeanmedia
Standard

Um mundo em constante transformação, mais globalizado e informado, torna o mercado cada vez mais exigente de outros valores.
Atualmente, fatores como saúde, segurança, cultura, apoio a causas sociais, proteção à degradação do meio ambiente, bem-estar dos empregados, responsabilidade legal trabalhista, econômica e financeira, estão cada vez mais em destaque e ascensão.
Nesse contexto, o voluntariado assume uma dimensão além da esfera pessoal e individual pelas oportunidades de desenvolvimento profissional através das distintas vivências que exploram competências comportamentais como liderança, trabalho em equipe, flexibilidade, resiliência e comprometimento.
Atualmente, corporações empreendedoras buscam desenvolver programas de voluntariado com o propósito de sensibilização, engajamento e capacitação de seus colaboradores e principalmente suas lideranças para a tomada de decisões do contexto globalizado com uma visão mais ampla dos impactos do seu entorno.
A atividade voluntária visa facilitar um modelo de gestão integrada, capaz de desenvolver, ao mesmo tempo, as comunidades e os negócios, combinando o bem-estar das partes envolvidas e eficiência de recursos.
A rigor, o que se prega é que um voluntariado estratégico bem conduzido pode fazer a diferença para pessoas e gerar retorno às empresas.
A habilidade de trabalhar em um contexto global e desenvolver soluções criativas e adaptáveis a distintas situações se tornará indispensável aos profissionais de todas as áreas.
O intercâmbio de experiências com as comunidades, por sua vez, será cada vez mais um laboratório inspirador pela aprendizagem vivenciada na prática.
A capacitação da liderança corporativa com pontos de vista diferentes para a resolução de desafios corporativos e habilidade de compreender e colaborar em diversas culturas constitui um aspecto fundamental para o desenvolvimento pessoal, profissional e empresarial.
Destaca-se algumas possibilidades:

  •  Auxiliar na busca de soluções em diferentes contextos;
  •  Estimular a capacidade de trabalhar com diversas opiniões;
  •  Fornece experiência de gestão em ambientes não convencionais;
  •  Desenvolver a interação do profissional com outras áreas da empresa;
  •  Proporciona um entendimento amplo sobre as comunidades influentes;
  •  Desenvolver a inovação;
  •  Desenvolve a habilidade de atuar com diferentes pessoas e culturas;
  •  Gerar maior sensibilidade diante de problemas globais.

Cidadania plena se consegue mais facilmente quando se tem compromisso com o voluntariado, afinal ser consciente não é só falar dos problemas, consiste em envolver, conhecer e lutar para resolvê-los.

Flávia Avancini

Corrupção vs. Jeitinho Brasileiro: Quem é o maior vilão?

19597
Standard

Nunca se falou tanto em corrupção como nos últimos tempos, seja nas redes sociais ou nas rodas de amigos, sempre há quem tenha um caso e excelentes argumentos para fundamentá-los. (Será?) Analisemos:
Culturalmente, somos absolvidos de pequenos delitos pelo tal “jeitinho brasileiro”, nos isentando de qualquer repreensão maior sobre nossos pequenos atos falhos, afinal de contas há muitas pessoas que fazem coisa bem mais graves do que nós.
Culpa-se os governantes por tudo, tudo envolve corrupção e as diversas formas de se levar vantagens em ações que envolvam interesses próprios, na maior parte das vezes colocados acima dos direitos do povo.
Grave situação, mas qual nossa atitude diária em relação a todos os interesses que nos cercam?
Agimos sempre corretamente e transferimos os valores éticos aos nossos filhos e entes queridos?
Quantas vezes nos pegamos agindo de forma errada e tentamos justificar que nossas pequenas falhas não são tão graves assim?
Poxa vida. Não há problema em parar na vaga de deficientes ou idosos apenas por um instante, afinal de contas a maior parte dessas vagas, geralmente estão desocupadas.
Colar na prova para obter um melhor resultado não é algo grave, porque além do fato de ser apenas uma prova, todo mundo faz, não serei o primeiro e nem o último.
Com base na análise desse nosso comportamento, podemos realmente dizer que os erros estão somente nas mais altas esferas governamentais?
Buscamos um país melhor, temos a esperança (afinal ela é a última que morre) de vivermos em um mundo melhor e mais justo, mas estamos fazendo a coisa certa?
Não é porque todos fazem errado, que o errado se torna certo. E não é porque poucos fazem o certo que o certo é impossível!
Para alcançarmos um resultado maior, precisamos, definitivamente, mudar a base, rever conceitos, quebrar paradigmas, policiar pequenas falhas, mesmo que ninguém esteja vendo, para que o certo seja feito não por que beneficia alguém, mas por que é certo agir de maneira correta.

Ricardo Lopes

Chegar no trabalho dá trabalho!

Epsos
Standard

Ligar a televisão ou olhar o celular logo ao acordar já não é mais uma iniciativa para se começar o dia com um pouco mais de entretenimento. É precaução. Já que na TV o programa procurado é o noticiário local, mostrando a situação das ruas e no smartphone se consultam os apps de trânsito. Caso a coisa esteja feia lá fora, a rotina da manhã deve ser cumprida rapidamente para não se prejudicar no horário do trabalho. E essa preocupação com o caminho para o trabalho não é mais exclusividade das grandes metrópoles. Todo centro comercial agora tem um trânsito para chamar de seu. E o quanto isso impacta na produtividade do profissional?
A sua disposição ao chegar ao trabalho pode responder a pergunta feita acima com muita propriedade: além do desgaste físico, os níveis de estresse também são afetados, pois além da espera, há a pressão de se chegar ao trabalho no horário. Grandes picos de movimento, como quando há manifestações nas ruas, acidentes ou até chuva, podem ser relevados pelos gestores quando são rapidamente comunicados do problema, mas, em geral o desconto do atraso não pode ser abonado.
Quando o trânsito carregado é cotidiano, o trabalhador não pode fazer nada mais do que sair de casa mais cedo e avaliar uma forma melhor de transporte para que o horário de trabalho seja respeitado.
O trem e o metrô, em tese, podem ser considerados as melhores opções para deslocamento, já que não ficam presos no trânsito. Mas, vivendo no país em que vivemos, é sabido o quão complicado é utilizar este meio de transporte. Segundo a revista Mundo Estranho só em São Paulo, durante o horário de pico, transportam-se no metrô uma média de 9 pessoas por metro quadrado, quando o indicado são 3 por m².
Se fugirmos do transporte público, passando longe da opção de quatro rodas, vemos um grande crescimento no uso da motocicleta. Transporte que permite um deslocamento mais ágil em meio aos corredores formados entre os carros quando estes estão parados no tráfego. Aqui o grande problema é a imprudência dos apressados e a falta de estrutura nas ruas, o número de acidentes e mortes de motociclistas é crescente.
O trânsito é um fator de grandes consequências no mercado de trabalho. Morar próximo ao local de trabalho é fator primordial para contratação. Fora questões como a pontualidade na entrevista, que também é uma forma de se analisar o comprometimento e a organização do candidato. Dentro do trabalho, existem aqueles que se veem obrigados a cortar uma ou duas horas de sono por causa do tráfego pesado.
Muitas ações do ambiente externo, que não dependem do profissional, podem influenciar no trabalho prejudicando sua performance. O trânsito é o exemplo mais visível. O profissional que se planeja e cria uma programação para começar o dia, consegue quase sempre, driblar estes primeiros obstáculos do cotidiano. Ao entrar no seu carro ou tomar a sua condução, relaxe, ouça uma música e não fique conferindo as horas com frequência. Você pode não estar numa espreguiçadeira curtindo a praia e o Sol, mas este tempo continua sendo seu. Então use-o da melhor forma o possível.

Reinaldo Araujo

Um pai chamado Mário

ilustra
Standard

Dia dos Pais e incumbiram-me de homenageá-los! Confesso que no começo isso me causou um certo desconforto, pois perdi meu pai, um ser humano excepcional, há 18 anos. Para não parecer excessivamente melodramática e para ser coerente com nosso blog, resolvi falar do que ele representou profissionalmente para mim.

CCI07082015_0003

Sr. Mário e sua “penca” de filhos

Sua carreira profissional é um exemplo de dedicação, perseverança e esforço. Casou muito jovem e com 29 anos tinha 4 filhos para criar. Fez faculdade de direito já com os filhos nascidos e tinha dois empregos: um administrativo e outro como redator no jornal da cidade onde morávamos, uma pequena cidade do interior paulista.
Formou-se em Direito e veio então a oportunidade de prestar concurso para Agente Fiscal de Rendas do Estado de SP e com dois empregos e uma penca de filhos, conseguiu estudar e ser aprovado. Assumiu em São Paulo e foi nessa ocasião que viemos para cá.
Esse breve resumo nos leva a alguns questionamentos:

  • Sua maior habilidade sempre foi escrever e fazia isso com maestria. Seu sonho era ser jornalista, mas com 4 filhos quem pode se dar ao luxo de ir atrás de um sonho? Quantos pais até hoje abrem mão de uma realização pessoal em favor dos filhos?
  • Prestou concurso público e sua dedicação o levou a ser aprovado. Não era nem de longe uma atividade que ele gostava. Mas tinha estabilidade de emprego e uma boa remuneração que permitia dar uma vida digna aos seus filhos. Nunca vi meu pai desempregado e isso nos trazia segurança. Seria essa uma opção para os pais que querem o melhor para a sua família?
CCI07082015_0001

Formatura da Luciana, em Psicologia (1983)

  • Aposentou-se cedo e continuou trabalhando como advogado. Por ser uma atividade como profissional liberal, tinha muito tempo livre. Pode dedicar-se aos netos, levar na escola, brincar e educar. Deixou marcas afetivas profundas em cada neto e reconhecimento dos filhos por tanto amor a eles dedicados. Será que é essa qualidade de tempo que importa aos filhos terem dos seus pais?

Uma carreira e muitos questionamentos! Acredito que meu pai não tenha sido um profissional realizado, acredito também que não existam respostas exatas e corretas para os questionamentos feitos acima. Mas de uma coisa tenho certeza, de que ele foi o melhor pai para mim! Um pai presente, amoroso, honesto e que só deixou saudades e excelentes lembranças!
Parabéns a todos os pais, a todos os Mários, Franciscos, Thiagos, Guilhermes, Josés, etc.
Que seus filhos possam ter por vocês o que tenho pelo meu pai: eterna gratidão por tudo e um amor inabalável!

CCI07082015CCI07082015_0002

 

Luciana Martino