QUALIDADE DE VIDA E GINÁSTICA LABORAL – PEQUENOS HÁBITOS QUE FAZEM DIFERENÇA

ze carlos barreta
Standard

Todos sabemos que o stress, a má postura e o trabalho com movimentos repetitivos podem acarretar problemas de coluna, tendinites, entre outros de considerável gravidade, mas pouco fazemos para reduzir os efeitos desses vícios.

Na ânsia de sermos bons profissionais, muitas vezes nos esquecemos de cuidar de nossa saúde física e mental.

Apesar de haver registros de sua utilização na Europa, entre as décadas de 20 a 40 do século passado, foi somente após a Segunda Guerra Mundial que a Ginástica Laboral se firmou como ferramenta para aumentar o bem estar, melhorar a produtividade e evitar acidentes de trabalho.

Com o objetivo de manter os funcionários saudáveis em seus postos de trabalho, a atividade física laboral busca, por meio de exercícios físicos direcionados à determinadas atividades profissionais, realizados durante o expediente, sob a orientação de um profissional da saúde física, alcançar os resultados desejados.

Além de diminuir a carga de estresse por interromper o trabalho, a ginástica laboral ainda evita o sedentarismo. Esta prática pode melhorar muito o desempenho de um funcionário, além de evitar lesões por esforço repetitivo (LER) e outras doenças provocadas pelo trabalho contínuo e a falta de exercícios físicos. Por conta destes benefícios, ela ajuda a diminuir o afastamento dos funcionários da empresa.

Em empresas nos mais diversos portes e ramos de atividade, a ginástica laboral é realizada em setores administrativos e linha de produção com a própria roupa ou uniforme de trabalho, já que não provoca sudorese e cansaço físico excessivo, por ser de baixa intensidade.

Composta por exercícios físicos, alongamentos, relaxamento muscular e flexibilidade das articulações a serem executados em um período de 10 a 15 minutos, é uma prática coletiva que promove a descontração e interação entre colegas de trabalho, além de agir psicologicamente, ajudando-os a aumentar o poder de concentração e a autoestima.

Dicas de exercícios de fácil execução:

exemplos Fontes: http://www.copacabanarunners.net/ginastica-laboral.html http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_frame.asp?cod_noticia=849 http://exerciciosparafazeremcasa.com/ginastica-laboral-o-que-e/

Ricardo Lopes

Trabalho Informal

Fotos produzidas pelo Senado
Standard

Os vínculos empregatícios do trabalho formal são estabelecidos no momento do registro em carteira de trabalho. Desta maneira, o trabalho formal segue as leis trabalhistas e é provido de remuneração fixa (por vezes comissionada), férias, décimo terceiro salário, hora extra remunerada, FGTS, licenças maternidade e paternidade e seguro-desemprego, entre outros benefícios.
O trabalho informal caracteriza-se pela falta de vínculos empregatícios com alguma empresa ou com um empregador, no caso de empregados domésticos.
No Brasil, os fatores que levam profissionais empreendedores a trabalharem na informalidade é, principalmente, o excesso de impostos e a ausência de incentivos à micro e pequena empresa.
Em meio à crise, ao desemprego e à dificuldade de recolocação, a opção mais frequente tem sido o trabalho informal, que vai desde vendedores ambulantes (camelôs), doceiras, manicures e professores particulares, entre outros tantos.
A Economia informal envolve as atividades que estão à margem da formalidade, sem firma registrada, sem emissão de notas fiscais, sem contratação de empregados registrados e sem recolhimento de impostos.
Economia ilegal? Precisamos repensar se trabalho informal equivale a trabalho ilegal, já que o comportamento das pessoas está mudando muito rapidamente; as necessidades e os valores sociais em consonância também.
Pensemos no UBER chamado de “carona paga”, transporte alternativo que vem causando polêmica e protestos da classe dos taxistas formais.
Esse é um exemplo de que caminhamos para uma transformação sócio-econômica sem volta, onde será possível a convivência pacífica da formalidade e da informalidade em benefício das pessoas e para construção de um mundo de possibilidades.
Afinal, para um povo criativo como o nosso, a informalidade permite que as crises sejam “dribladas” de forma original e rentáveis. Precisamos de alternativas!

Paula Gratz/Luciana Martino

Proativa engajada na campanha “Outubro Rosa”

DEBTRO
Standard

O “Outubro Rosa” é uma campanha mundial que alerta sobre a importância do diagnóstico e prevenção do câncer de mama.
Foi com essa chamada que a área de marketing da Proativa convidou os funcionários a virem no dia 16/10 vestidos com alguma peça cor-de-rosa, numa alusão e respeito à essa campanha que tanto mexe com o nosso inconsciente e com o medo coletivo de sermos acometidas por essa doença.
Numa empresa onde 65% dos funcionários fazem parte da população feminina, representada por mulheres nas mais diversas idades e etapas de vida, fica clara nossa preocupação e cuidado com um assunto tão delicado. Com certeza a figura feminina está presente na vida dos demais 35% dos colaboradores, seja na figura da mãe, esposa, irmã, namorada, filha, amigas. Portanto, esse é um assunto que diretamente ou indiretamente preocupa 100% da população.
A boa notícia é que podemos e devemos nos prevenir com relação ao câncer de mama, através do auto exame e consultas periódicas ao ginecologista que fará o acompanhamento solicitando exames como mamografia e ultrassonografia das mamas. A prevenção diminui sensivelmente o número de mortes, portanto não vamos nos descuidar!
Nós da Proativa apoiamos essa causa e desejamos que essa campanha possa colorir não só o mês de outubro, mas todos os meses do ano, através de ações diárias, constantes e permanentes. Que as mulheres do nosso país possam ser cuidadas e que um dia quem sabe, possamos nos orgulhar de termos erradicado essa doença das nossas vidas!

Luciana Martino


Você vai gostar de ler também:

Filhos, Família e Trabalho caminhando juntos

photon_de corte
Standard

As mães e pais vivem uma rotina agitada com multitarefas, trabalhando fora o dia todo, e ao chegar em casa se deparam com muitas coisas para organizar, brincar com os filhos e ser atencioso com marido/esposa.
São tantas funções acumuladas com pouquíssimo tempo para concluí-las que nem sempre é possível dar conta de tudo.
Em primeiro lugar, deve-se deixar de lado a ideia de querer dar conta de tudo sempre.
Tem dias que vai ser impossível organizar as pendências da casa, preparar o jantar, ajudar os filhos na lição de casa e dar atenção ao casal.
A dica é tentar lidar com tudo isso de uma maneira mais leve e harmoniosa.
Talvez não seja possível estar presente todas as refeições, mas mantenha a rotina de fazer pelo menos uma delas juntos, como o café da manhã.
É importante manter o contato com os filhos e marido/esposa através de uma simples ligação ou mensagem abusando dos benefícios da tecnologia.
Mais do que quantidade, o importante é a qualidade dos vínculos afetivos.

Seja disciplinado para evitar trabalhar em casa, ao menos que seja em casos extremos.
O ideal é ter uma rotina saudável e equilibrada com 8/10 horas de trabalho para que o casal e filhos tenham acima de tudo, momentos de qualidade com a presença integral.

As mulheres constantemente ficam divididas com o trabalho e cuidar integralmente da família pelos filhos principalmente quando são bebês.
A mulher não deve assumir para si toda a responsabilidade pelos filhos. É importante deixar o sentimento de superproteção de lado e lembrar que pode contar com a ajuda do pai, familiares etc.

Trabalhar não a torna uma mãe menos importante e valorosa e quando este tipo de pensamento aparecer, basta lembrar de que um bom trabalho permite dar aos filhos não apenas uma vida mais tranquila, como também mais segura, com mais qualidade na educação, na alimentação, entre outras vantagens como a realização pessoal desta mulher que certamente estabelecerá relações mais virtuosas com seus filhos.

  • Mantenha contato sempre

Não deixe de ir ao quarto do seu filho para dar um beijo ou fazer um carinho, mesmo se ele estiver dormindo. Antes de deitar, converse com o seu marido/esposa tenha interesse em saber como foi o dia dele(a), compartilhe seu dia, através de momentos exclusivos do casal.

  • Organize a sua casa

É importante que desde cedo nossos filhos aprendam a contribuir com a organização da casa como a arrumar o quarto, separar roupa suja da limpa, guardar brinquedos etc.

  • Use o tempo a seu favor

Uma das maneiras de conseguir aliviar um pouco sua rotina é a divisão de tarefas.
Se o casal trabalha, nada mais justo que dividir igualmente as tarefas da casa e da família.
Fazer algumas tarefas juntos pode ser divertido e certamente aproximará o casal e filhos.

  • Cuide-se… cuide dos seus relacionamentos

Fique atento para não se sobrecarregar pensando em cumprir tarefas.
Aproveite o tempo que sobrar para cuidar de si mesmo também.
Procure movimentar seu corpo, praticando exercícios físicos para manter corpo e mente sadios.
Mantenha um hobby, saia com as amigos para conversar, frequentemente faça simples programas com a cia do marido/esposa para conversarem e se divertirem juntos.
Jamais discuta com seu marido/esposa na frente das crianças, se necessário conversem sozinhos e outro lugar.
Nossas atitudes são os melhores exemplos para os filhos e certamente influenciam no seu desenvolvimento e amadurecimento.

Talvez não precisamos exaustivamente equilibrar a vida profissional e pessoal e possamos dar prioridade aos momentos que se quer viver com mais intensidade.
Muitas vezes as frustrações surgem e o sentimento de infelicidade incomoda pelo é o excesso de escolhas e expectativas com uma postura rígida e inflexível.
Que este dia das crianças como pais possamos nos inspirar em nossos filhos e presentear nossa rotina com um toque de leveza, uma dose generosa de sorrisos por coisas simples sem o compromisso da perfeição.
Como a criança ter nossas limitações, mas sermos confiantes e corajosos para acertar, errar e recomeçar, afinal é isso que a não permite PARAR na caminhada do aprendizado e de um viver pleno da vida.
Estabelecer o compromisso em ser FELIZ o máximo que puder, em qualquer momento, qualquer lugar.
Feliz Dia das Crianças!!!

Flávia Avancini


Você vai gostar de ler também: