Doação de Sangue – Um Ato de Amor

id635
Standard

25 de novembro, dia nacional do Doador de Sangue, pessoas que deveriam ser valorizadas e exaltadas todos os dias, pela entrega, pelo amor e respeito ao outro. Fazer da doação de sangue um gesto natural e contínuo é, antes de tudo, uma decisão que requer compaixão e um espírito nobre. Esse dia serve para homenagear todas as pessoas que separam um tempo da sua rotina para ajudar quem precisa de doação de sangue.
Quantas pessoas você conhece que são doadores oficiais? Poucas, não é mesmo? Normalmente as pessoas são “tocadas” para essa necessidade quando parentes, amigos ou conhecidos passam por uma situação de necessidade. É claro que isso não diminui em nada a nobreza do ato, mas deveria servir de conscientização para que essa atitude fosse repetida sempre que possível.
A Fundação Pró-Sangue estabelece regras para doação que são nacionais e internacionais. São elas:
• Estar em boas condições de saúde.
• Ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos.
• Pesar no mínimo 50kg.
• Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas).
• Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação).
• Apresentar documento original com foto recente, que permita a identificação do candidato.

Existem também impedimentos para a doação, que podem ser temporários ou definitivos:

• Resfriado
• Gravidez, parto e amamentação
• Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação.
• Tatuagem / maquiagem definitiva nos últimos 12 meses.
• Situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis: aguardar 12 meses.
• Qualquer procedimento endoscópico.
• Extração dentária/ tratamento de canal/ cirurgia odontológica
• Vacina contra gripe: por 48 horas.
• Hepatite após os 11 anos de idade.
• Uso de drogas ilícitas injetáveis.
• Malária.

Você sabia que cada doação consegue salvar 3 vidas? Essa informação pode te animar a ser um doador de sangue oficial, não é mesmo? É importante ressaltar que não existem desvantagens nesse processo, você só tem a ganhar com esse ato de amor! Portanto, pense nisso com carinho.

Luciana Martino


Você vai gostar de ler também:

Ganhos & Gastos no Final do Ano

id627
Standard

O final do ano chegando e com ele um período recheado de ganhos extras, mas, principalmente de muitos gastos, como comemorações, presentes, viagens e despesas do ano novo – IPVA, IPTU, matrícula e material escolar, entre outras. Por isso, esse é o período ideal para promover uma “faxina” financeira no orçamento, com o objetivo de diagnosticar a atual situação.
Portanto, antes de ir compulsivamente às compras de fim de ano, faça um diagnóstico da sua situação financeira. Relacione todas as despesas fixas e variáveis para descobrir o comprometimento dos seus ganhos com as dívidas. Investigue para onde está indo seus ganhos com detalhes.
Faça escolhas que estejam dentro do seu padrão de vida. Se as condições não permitem, procure outras opções igualmente prazerosas e de menor valor. O ideal é não se endividar com compras/viagens de final de ano.
Pesquise os melhores preços de presentes e itens da ceia, busque estipular um valor máximo a gastar com cada item.
Pesquise! Peça descontos.
Lembre-se: A chegada do novo ano também é tempo de fazer planos para o futuro.
Aproveite para reunir a família, inclusive as crianças, para conversar sobre o que querem realizar nos próximos anos.
Definam três sonhos prioritários que tenham diferentes prazos a serem realizados juntos.
Segue algumas dicas para reeducar sua vida financeira em 2017:
1⃣️ – Identifique suas dívidas
2⃣️ – Entenda seu consumo mensal
3⃣️ – Planeje seu futuro
4⃣️ – Orce suas ações (gastos)
5⃣️ – Mude hábitos e comportamentos
6⃣️ – Analise contas fixas
7⃣️ – Renegocie, se possível

Flávia Avancini


Você vai gostar de ler também:

Nossa República

id623
Standard

Dia 15 de novembro comemoramos a Proclamação da República, no período anterior éramos um império, monarquia governada por Dom Pedro I e depois por Dom Pedro II.
A palavra e a ideia de República nasceram entre os romanos antigos; com significado de “coisa pública” ou “bem comum”.
De uma maneira mais ampla, Republica é uma forma de governo, constituída por uma comunidade política organizada que governa no atendimento das necessidades do povo.
Uma das características mais importantes da República é a escolha do presidente pelo voto popular. No entanto, existem outros aspectos importantes, como a subordinação às leis e à constituição (aprovada diretamente pelos cidadãos ou pelos seus representantes eleitos), que servem para regrar a vida política do determinado país.
O período republicano brasileiro teve início em 1889, quando da sua proclamação pelo Marechal Deodoro da Fonseca e vigora até hoje. Nesses anos todos, nosso o país passou por importantes mudanças de governo, crises políticas, inclusive por um período de ditadura militar.
A República brasileira pode ser dividida em cinco fases: República Velha; Era Vargas; República Populista; Ditadura Militar e Nova República.
República Velha (1889 – 1930)
Era Vargas (1930-1945)
República Populista (1945-1964)

Ditadura Militar (1964-1985)

Nova República (1985-hoje) período que se seguiu ao governo militar; caracterizado pela democratização política e pela estabilização econômica.
Vale destacar que neste período é promulgada a Constituição de 1988. O documento instituiu o Estado democrático e a república presidencialista.
Depois de um pequeno resumo da história da república, olhamos para difícil realidade dos dias atuais…
E nos perguntamos: Nossa República cumpre com seu papel original, sua prioridade maior?
Em outras palavras, nossos governantes que se dizem “republicanos” trabalham honestamente com nosso dinheiro para o benefício único e exclusivo do povo brasileiro?

P. Gratz


Você vai gostar de ler também:

Trabalhadores do Campo

id616
Standard

No nosso cotidiano acelerado ou não, pensamos na origem dos alimentos do nosso prato? Você olha atentamente para o seu prato colorido… legumes cozidos ao vapor e verduras fresquinhas regadas com azeite e pensa… quantas pessoas trabalharam para plantar, cultivar, colher, selecionar e distribuir? Dificilmente pensamos! Falaremos sobre eles, os incansáveis trabalhadores de campo.
É importante destacar que o Brasil é um dos principais produtores e exportadores agropecuários do mundo, ficando atrás apenas dos EUA e da União Europeia. Vale dizer que os trabalhadores do campo não só alimentam os brasileiros, como também os norte americanos e os europeus.
A agropecuária ocupa uma posição de destaque na economia brasileira, levando a um crescimento industrial contínuo, bem como de todos os setores que giram em torno da agropecuária, o desenvolvimento das cooperativas, a qualificação profissional e por outro lado, o êxodo rural para áreas urbanas, devido a troca do trabalho braçal pelas máquinas.
Uma onda verde domina o mercado de tendências. É crescente a demanda por produtos livres de agrotóxicos, plantados e colhidos de forma tradicional, por famílias e comunidades. O denominado “consumo consciente”, que leva a sociedade a buscar alimentos livres de toxinas e, por outro lado, como uma forma de valorização aos trabalhadores do campo que aderiram ao cultivo consciente.
O trabalhador do campo tem um valor inestimável, seja aquele que trabalha na sua pequena lavoura, ou reinventando-se na função de operadores de máquinas modernas, por seu esforço e por sua essencialidade na nossa vida e na economia brasileira. Respondendo à primeira pergunta do texto, nós não pensamos em quem cultivou e como foi cultivado, apenas nos conscientizamos que frutas, legumes e verduras os mais são indicados pelos nutricionistas. Esse texto não visa que você pense nos trabalhadores do campo ao saborear as frutas, verduras e legumes. Por que sabemos que esse trabalhador é invisível todavia, devemos reconhecer a importância destes trabalhadores para o nosso cotidiano!

Reinaldo Araujo


Você vai gostar de ler também: