A Pandemia e os novos dias

Standard

Um caso de pandemia não é mapeado por boa parte das organizações e muito menos aguardado pela população, porém, como vemos nos dias de hoje, pode ocorrer, e tanto nossas famílias como empresas de pequeno até grande porte vêm buscando soluções para lidar com essa situação.

A pandemia é uma epidemia de doença infecciosa que se espalha entre a população localizada numa grande região geográfica como, por exemplo, um continente, ou mesmo o mundo.

Medo, incerteza e notícias, sejam elas falsas ou verdadeiras, nos bombardeiam diariamente. A disseminação rápida de boatos, que fazem parte de uma comunicação interna informal, geram desestabilidade e tornam o ambiente de trabalho propício para a manifestação desses sentimentos. O medo de perder o emprego e de como serão os próximos passos da corporação surgem. Mesmo que pareça difícil, devemos tentar manter a calma para sermos capazes de agir de maneira racional. No mundo corporativo, os sentimentos de medo e incerteza podem produzir efeitos negativos nos colaboradores, afetando o trabalho em equipe e a produtividade de cada um. Para lidar com isso, uma comunicação interna eficaz, que saiba lidar com as emoções humanas e organizacionais se torna essencial.

Buscar “observar” seus funcionários, compreender suas emoções e todos os aspectos ao redor se torna algo humano, que permite a construção de relações mais densas entre todos os níveis hierárquicos. A abertura para diálogos e esclarecimentos sobre os próximos passos a serem tomados por todos, como equipe, diante de uma situação tensa como essa, permite que se crie um bem-estar coletivo que tranquilize quem trabalha ali. Transparência e objetividade por parte dos líderes contribuem também para a geração de engajamento entre as pessoas, que dessa forma, gerarão bons resultados mesmo no meio de uma pandemia. Dessa forma, deixamos a histeria, que já ocupa boa parte do nosso dia, de lado, permitindo também que relações saudáveis gerem aprendizados e contribuam para o desenvolvimento de cada um como indivíduo.

Flávia Avancini