Futebol, política e religião: trabalho é lugar de discussão?

Standard

Dizem que futebol, política e religião não se discutem. Errado! São assuntos que podem e devem ser discutidos. Discuti-los significa abrir sua mente para ouvir novas opiniões e reflexões.
Entretanto existem locais e modos para expor suas crenças. Quando estamos num ambiente informal, tudo é permitido desde que não exceda o limite do respeito e bom senso. São assuntos que normalmente geram polêmicas e alteram os ânimos, isso porque são valores intrínsecos, que muitas vezes passam de geração em geração.
Discutir esses assuntos no trabalho exige um cuidado especial. Seguem alguns deles:

  • Não leve para o ambiente de trabalho imagens de santos, terços, incensos, sal grosso, enfim nada que possa deixar seu colega melindrado ou ofendido;
  • Não queira convencer os outros de que sua religião é a certa. Converse sobre isso, argumente, mas respeite a escolha do outro. Religião certa é aquela que te conforta e que traz paz;
  • Trabalhar com camiseta de time de futebol nem pensar! Brincar e “gozar” do colega de trabalho quando o time dele perde, faz parte. Mas saiba que ninguém vai trocar de time por sua causa. Portanto, não se altere!
  • Política então é um problema. O fundamental é saber que vivemos numa democracia, onde todos tem liberdade de fazer suas escolhas e mostrar isso através do voto. Lembrando que o voto é secreto, portanto não instigue.

Lugar de trabalho é para ser respeitado. Amigos oriundos de empregos são escolhas de cada um, cabe à nós decidirmos com quem estreitaremos os laços. Nesse caso vale a identificação religiosa, futebolística e política. Mas com colegas de trabalho o vínculo deve sempre ser harmonioso e isento de qualquer preferência. Por esse motivo, converse sim sobre esses assuntos, mas acima de tudo, respeite as diferenças e jamais “perca a linha”!

Luciana Martino