13 de Maio – Abolição da Escravatura: Quando Aboliremos o Preconceito?

Standard

No dia 13 de maio de 1888 a Lei Áurea foi assinada pela Princesa Isabel, que decretava a libertação dos escravos no país. Mas, até hoje este não é um motivo de comemoração e sim um marco para a luta contra o preconceito racial. Isso se justifica na ausência do tratamento dado aos ex-escravos logo após sua soltura. Sem teto, amparo, apoio e sem trabalho, essa negligência foi mais um grande passo em direção ao abismo do preconceito.
Ainda hoje sentimos profundamente os reflexos deste descuido comparando a proporcionalidade de negros e pardos segundo o último censo do IBGE, de 54%, com a presença destes em cargos altos, faculdades e espaços destinados a pessoas com renda elevada. Isso é reflexo da desvantagem em que a população negra teve 128 anos atrás para se estabelecer e crescer como cidadãos.
O preconceito racial é outro forte reflexo da indiligência para com este povo. As mídias sociais, reverberam essa mancha na sociedade, de tempos em tempos destacam-se casos de intolerância, como o último em que a jornalista Maju Coutinho foi hostilizada na área de comentários do público em uma publicação na página do Jornal Nacional no Facebook.
Esse caso teve grande destaque em razão da popularidade da pessoa e do local aonde ela trabalha. Entretanto, no escuro do anonimato, muitas pessoas são vítimas da injúria racial nas redes sociais. Muitos usuários acreditam ser impunes em razão da falta de contato, utilizando muitas vezes de perfis falsos.
A legislação esforça-se em acompanhar e punir esses crimes na rede mundial de computadores, entretanto sua efetividade ainda deixa a desejar. Outros esforços para a inclusão do povo negro e para a conscientização da sociedade em relação ao preconceito também são feitos pelo governo e por entidades sem fins lucrativos. Mas ainda há muito para se conquistar.
Quantos grandes talentos se perderam em razão da falta de oportunidades? Quantas pessoas maravilhosas tem uma vida indigna em razão da falta de suporte de sua família e antepassados? O simples fato de se refletir sobre isso e instigar esse pensamento em outras pessoas já ajuda um pouco na compensação desse entrave que, mesmo acontecido há pouco menos que um século e meio atrás, ainda atrasa a vida da sociedade. O dia Treze de Maio não é um dia de comemoração, e sim de reflexão. É um dia para olhar ao seu redor, pensar na sociedade, na igualdade e na real inclusão.

Reinaldo Araújo


Você vai gostar de ler também: